Fecisco: um bracarense que adorava o S. João

Se o seu falecimento passou injustamente despercebido, em finais de Janeiro de 2009, é hora adequada para saldar uma dívida para com um ilustre bracarense; chama-se José Teixeira Gomes Machado mais conhecido como o “Fecisco”. Se fosse vivo, completava este ano 85 anos de idade.

A ele e a Gaspar ‘Maleiro’ se deve a fundação da Rusga de S. Vicente de Braga, um dos mais antigos e dinâmicos baluartes da preservação e divulgação das tradições rurais de Braga.

Nascido a 30 de Outubro de 1931 em S. Vítor, corria o ano de 1965, alguns dias antes dos tradicionais festejos de São João na Ponte, o “Fecisco” tem a ideia de criar uma rusga para animar a sua participação nas festas da cidade.

Juntamente com o seu amigo Gaspar “Maleiro”, numa das suas amenas cavaqueiras, recordam velhos tempos, as festas e romarias de antigamente: perceberam que elas perdiam qualidade e popularidade de ano para ano, minguando as Rusgas das freguesias do concelho.

Para contrariar o definhar de um dos momentos mais vivos e aguardados dos festejos sãojoaninos — o desfile rusgueiro— , organizam uma Rusga, em 1965 com o propósito de ir comer o merendeiro ao terreiro do S. João da Ponte.

Um dístico, depois um arco transportado por um casal de jovens, seguido de moças com os seus trajes de romaria e alguns pares de dançadores, com a tocata e as mulheres cantadeiras. Estava constituída a Rusga que Fecisco ampliou ao longo de 44 anos, trajada à moda camponesa de finais do século XIX, envergando os exemplares mais emblemáticos do Baixo Minho.

Elas e eles vestem trajes de trabalho e de festa ou domingueiro, merecendo especial destaque dentre estes os trajes de casal de noivos, graças à sua incomparável riqueza e beleza.

Fecisco deixa aos actuais membros da Rusga uma riquíssima herança traduzida na participação em inúmeros festivais, congressos, romarias e outros encontros festivos, levando o seu vasto repertório de danças e cantares a todas as regiões do país e da Europa.

Sete dias após a sua morte, o Fecisco continua no imaginário da cidade que o viu nascer e os bracarenses devem guardar a memória de um homem folgazão, com uma voz ímpar para cantar os malhões, as chulas e os viras.
Acima destes talentos, Fecisco animou a sua Rusga de uma paixão sem limite pela sua cidade, as suas tradições e o seu património, através de mais de 30 saraus culturais.

Onze anos após ter sido agraciado pela Câmara Municipal de Braga, com a Medalha de Mérito Municipal, Fecisco partiu mas ele é a personificação da rusga: continuará a ir, a fazer e a regressar connosco das festas.

É um rusgueiro eterno. Os seus sucessores têm sido dignos da sua memória, continuando e engrandecendo o seu trabalho.RUSGA S. VICENTE

Anúncios

2 pensamentos sobre “Fecisco: um bracarense que adorava o S. João

  1. Como Rusgueiro, fico grato pela memória, como bracarense partilho da mesma opinião: ” é a hora adquada para saldar uma dívida para com um ilustre bracarense…”

    Gostar

  2. “Sentimos saudade de certos momentos da nossa vida e de certos momentos de pessoas que passaram por ela”
    Carlos Drummond de Andrade
    Este era sem dúvida um dos momentos mais vividos do Fecisco- O S. João.
    Bem haja pela simples e merecida homenagem.
    Em nome da Família Teixeira… Muito obrigada.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s